A Velocidade Tática no Futebol


africano.jpg

“Penso que tem de haver no fundo de tudo, não uma equação, mas uma idéia extremamente simples. E para mim essa idéia, quando por fim a descobrirmos, será tão convincente, tão inevitável, que diremos uns aos outros: Que maravilha! Como poderia ter sido de outra maneira?” (John Archibald Wheeler)

por Rodrigo Leitão, Via Universidade do Futebol

Comecemos com o conto do “Macaco que queria ser mais rápido do que o Guepardo”.

“Depois de muitos anos sem se ver (havia pelo menos três, desde a última conversa no zoológico) o “Macaco da Floresta” e o “Guepardo das Savanas” marcaram de se encontrar. Já na época do zoológico os bichos mais chegados viviam desafiando os dois amigos a provar quem era o mais rápido. O guepardo, famoso pelas arrancadas nos descampados do zôo nunca se incomodou; sempre teve claro para si que era o mais rápido. O macaco por sua vez acreditava que nenhum outro animal poderia ser mais rápido do que ele nos emaranhados labirintos de árvores da mini-floresta em que vivia.

Meio dia era o horário do encontro; mas faltando cinco minutos, lá já estavam os dois a conversar. Falaram do passado, das saudades, da boa e velha amizade e (impossível não resgatar o assunto!) sobre o “desafio da velocidade”.

Os dois perceberam que se esperassem mais algum tempo, com a idade chegando, já não estariam aptos a desenvolver as grandes velocidades que os faziam famosos no zoológico. Como não sabiam quanto tempo mais levariam para se encontrar novamente resolveram enfim por em prova o desafio.

O guepardo, sem hesitar, logo propôs uma corrida de 300 metros numa savana próxima dali. O macaco, reflexivo, não gostou muito da idéia e disse que o melhor mesmo era que corressem por um trecho de 500 metros por uma floresta que os humanos chamavam de Amazônia.

Como não chegavam a um consenso, sabiamente resolveram fazer duas provas: uma na savana e uma na floresta.

Sem avisar os outros bichos (só a águia ficou sabendo), prepararam o desafio. No primeiro dia iriam à savana, e no outro à floresta.

Na savana, com mais de 15 segundos de diferença o guepardo venceu tranqüilo e sorridente. O macaco, por mais que tenha se esforçado não conseguiu chegar nem perto.

Na floresta, não teve jeito. O guepardo acelerava e logo dava de frente com uma árvore. A cada um ou dois segundos precisava desviar de um obstáculo. Resultado, com mais de 15 segundos o macaco chegou na frente.

Embaraçados e sem saber quem era o mais rápido consultaram a velha e sábia águia, que sem pestanejar logo concluiu: vocês dois são os mais rápidos. Cada um no seu ambiente específico; cada um naquilo que faz diariamente no seu habitat.

O guepardo, insatisfeito com a conclusão da águia, resolveu consultar uma equipe de bichos fisiologistas acostumados a trabalhar com atletas. Depois de algumas fotocélulas e alguns “tiros” (leia sprints) de 30, 40, 100 e 400 metros a conclusão (os fisiologistas foram taxativos!) chegou nua e crua: o mais rápido era o guepardo.

Como o macaco e o guepardo eram amigos e não queriam ficar discutindo o assunto, foram até a casa do macaco na floresta beber uma “seiva”. E foi aí que ocorreu uma tragédia. Depois da queda de um balão a floresta ficou em chamas e o fogo rapidamente começou a se alastrar. Quando o macaco e o guepardo perceberam já era tarde e precisaram sair correndo (estavam a uns 30 segundos da clareira mais próxima).

Tinham que correr; rápido, 30 segundos talvez não fosse tempo suficiente. E realmente não foi. O macaco conseguiu escapar (em 10 segundos estava livre do fogo). O guepardo, pressionado pela necessidade de ser rápido e desorientado pelas mudanças de direção que fazia para não bater nas árvores, acabou virando cinzas junto com elas”.

Ainda que isso tudo seja somente um “conto”, me traz boas reflexões a respeito do jogo de futebol.

Em um passado recente o futebol fora dominado pelo raciocínio de que a “supremacia” física seria a solução imediata para conquistar êxitos nos resultados dos jogos. Jogadores mais fortes, velozes e resistentes levariam vantagem sobre seus pares não tão avantajados, e esse deveria ser o novo norte da preparação do jogo.

Sem a intenção de tornar essa discussão mais polêmica do que ela já é, discutirei esse raciocínio na perspectiva da velocidade do jogo; ou melhor no quanto o jogo veloz pode ser vantajoso.

Já diria Verkhoshansky há mais de 20 anos que a velocidade é a variável mais importante no desporto de alto rendimento. Vence aquele que consegue realizar ações eficazes mais rapidamente. Então, no xadrez, vencerá aquele competidor que tiver maior velocidade para tomar decisões acertadas contrapondo o jogo adversário. Nos 100 metros rasos do atletismo vencerá aquele que cumprir a tarefa de correr em linha reta em um tempo menor do que o dos adversários.

E no futebol, que velocidade é essa?

No futebol, assim como em outros esportes coletivos, ser mais veloz não significa correr mais rápido. Também não significa apenas pensar mais rápido. Nesse nosso artístico esporte ser mais veloz significa ler muito bem e rapidamente o jogo (compreendendo sua lógica), tomar decisões rapidamente (em “milissegundos”) e transformar em ação o pensamento que apontou solução à situação-problema.

Pois bem. Muito do que se tem hoje como prática do treinamento desportivo é herança das práticas concebidas e desenvolvidas para serem aplicadas no atletismo. Muitos cientistas do desporto, preparadores físicos e treinadores de futebol (dentre tantos outros) passaram (e muitos permanecem até hoje) décadas transferindo para esportes como o futebol, conteúdos e conhecimentos nascidos no atletismo.

O problema porém, é que tal transferência decorreu da preocupação com o treinar desvinculado do jogar. Em outras palavras, fracionaram o jogo nos elementos que o compõe (corridas, trotes, sprints, cabeceios, chutes, saltos, etc e tal), na tentativa de ao juntá-los ter o jogo de futebol como resultado.

Como o argumento inicial de se trabalhar as partes com a finalidade de melhorar o todo fora incisivo, pontual e sedutor, acabou por contaminar diversas áreas viventes no em torno do futebol; ganhou forças e hoje custa a ser desconstruído.

Ainda hoje, tornar um jogador de futebol veloz é sinônimo de fazê-lo correr mais rápido. Alguns até já evoluíram dessa etapa, mas acabaram por recair na generalidade de tornar o ato motor mais rápido, seja ele qual for.

Pois bem. Pelo menos desde 1960 existem trabalhos científicos apontando que a possibilidade de melhora do tempo de reação em ações motoras que envolvem reações simples (sem tomadas de decisão que exijam qualquer nível de reflexão) pode chegar a 18%. Já àquelas, que exigem análise para posterior tomada de decisão, cerca de 40% (dados das pesquisas de Simkin (1960), Hollmann, Hettinger (1980), Tanaka (1999), Shaff (2006)).

As pesquisas têm mostrado que o tempo total de uma ação motora (da percepção do estímulo até a ação propriamente dita) sofre acréscimo de meio segundo em exigências de decisão simples e de aproximadamente 1,5 segundos em ações que envolvem exigências complexas.

No jogo de futebol a dinâmica tática coletiva traz intensa e grande complexidade às situações-problema. Então a tomada de decisão do jogador tem grande influencia no tempo total da sua ação. Não que a manifestação física da sua tomada de decisão não seja importante (não é isso!). O fato é que se atingindo medianamente níveis de manifestação da velocidade da “ação física”, ter-se-á aptidão para cumprir outras manifestações da velocidade no jogo.

O futebol é tático-técnico-físico, e há de se entender como isso se manifesta no jogo.

Aumentar a velocidade do jogo não significa correr mais rápido, porque sob o ponto de vista tático não é necessário correr mais rápido; é necessário chegar primeiro.

Correr nas savanas não tem nada a ver com correr na floresta. Ser mais rápido nas savanas não significa ser mais rápido nas florestas.

Correr de um ponto a outro do campo de jogo em maior velocidade não significa ser rápido para jogar futebol.

“Penso que tem de haver no fundo de tudo, não uma equação, mas uma idéia extremamente simples. E para mim essa idéia, quando por fim a descobrirmos, será tão convincente, tão inevitável, que diremos uns aos outros: Que maravilha! Como poderia ter sido de outra maneira?” (John Archibald Wheeler)

Anúncios

8 comentários

  1. joao · julho 11, 2011

    jogo na posiçao do ganso e queria ser mais rapido pois ha muitas bolas que em profundidade eu nao chego e queria melhorar minha velocidade como faço?

    • Tega · novembro 7, 2011

      Oi João. Obrigado pelo contato. A velocidade no futebol é um tanto quanto relativa. Imagine por exemplo, uma corrida do meio-campo até a linha de fundo entre o corredor jamaicano Usain Bolt, recordista mundial dos 100 e 200m rasos e o Lionel Messi, meia atacante do Barcelona.
      Agora imagine a mesma cena, onde os dois tem que conduzir uma bola, tendo alguns adversários pela frente para driblar e/ou fazer alguma jogada com os companheiros para chegar ao mesmo gol adversário.
      Ou seja, muitas vezes, veremos que um jogador nem tão veloz, torna-se extremamente rápido com a bola nos pés numa jogada em direção ao gol. Assista algumas jogadas do Messi e tente entender um pouco melhor esta questão relativa da velocidade no futebol. Agora, para que vc se desenvolva fisicamente, e de acordo com a sua faixa etária, você poderá buscar orientação com um profissional especialista para que você realize trabalhos de velocidade, força e potência. Mas pense nisso: será que é tão importante ser o cara mais veloz da equipe? Ou seria melhor eu encontrar maneiras de resolver mais rapidamente as situações-problema que aparecem quando a bola chega no seu pé? Procure trabalhar a sua velocidade na perspectiva do próprio jogo de futebol, ok?
      Um abraço e boa sorte!

  2. David · julho 10, 2011

    eu jogo mt bem corro ate rasuavel mais quero corre mais e ganhar todas no corpo e na dividida o que eu faço?

    • Tega · novembro 7, 2011

      Oi David. Obrigado pelo contato. A velocidade no futebol é um tanto quanto relativa. Imagine por exemplo, uma corrida do meio-campo até a linha de fundo entre o corredor jamaicano Usain Bolt, recordista mundial dos 100 e 200m rasos e o Lionel Messi, meia atacante do Barcelona.
      Agora imagine a mesma cena, onde os dois tem que conduzir uma bola, tendo alguns adversários pela frente para driblar e/ou fazer alguma jogada com os companheiros para chegar ao mesmo gol adversário.
      Ou seja, muitas vezes, veremos que um jogador nem tão veloz, torna-se extremamente rápido com a bola nos pés numa jogada em direção ao gol. Assista algumas jogadas do Messi e tente entender um pouco melhor esta questão relativa da velocidade no futebol. Agora, para que vc se desenvolva fisicamente, e de acordo com a sua faixa etária, você poderá buscar orientação com um profissional especialista para que você realize trabalhos de velocidade, força e potência. Mas pense nisso: será que é tão importante ser o cara mais veloz da equipe? Ou seria melhor eu encontrar maneiras de resolver mais rapidamente as situações-problema que aparecem quando a bola chega no seu pé? Procure trabalhar a sua velocidade na perspectiva do próprio jogo de futebol, independente da sua posição no campo.

  3. Wesley · junho 11, 2011

    Sou Lateral direito sou rapido mas tenho pouca agilidade iso me atrapalha bastnte com consiguo ter mais agilidade com velocidade me add no msn para nois se fala Wscotini@hotmail.com

    • Tega · novembro 7, 2011

      Oi Wesley. Obrigado pelo contato. A velocidade no futebol é um tanto quanto relativa. Imagine por exemplo, uma corrida do meio-campo até a linha de fundo entre o corredor jamaicano Usain Bolt, recordista mundial dos 100 e 200m rasos e o Lionel Messi, meia atacante do Barcelona.
      Agora imagine a mesma cena, onde os dois tem que conduzir uma bola, tendo alguns adversários pela frente para driblar e/ou fazer alguma jogada com os companheiros para chegar ao mesmo gol adversário.
      Ou seja, muitas vezes, veremos que um jogador nem tão veloz, torna-se extremamente rápido com a bola nos pés numa jogada em direção ao gol. Assista algumas jogadas do Messi e tente entender um pouco melhor esta questão relativa da velocidade no futebol. Agora, para que vc se desenvolva fisicamente, e de acordo com a sua faixa etária, você poderá buscar orientação com um profissional especialista para que você realize trabalhos de velocidade, força e potência. Mas pense nisso: será que é tão importante ser o cara mais veloz da equipe? Ou seria melhor eu encontrar maneiras de resolver mais rapidamente as situações-problema que aparecem quando a bola chega no seu pé? Procure trabalhar a sua velocidade na perspectiva do próprio jogo de futebol, ok?

  4. Lucas · março 31, 2011

    Jogo mt bem futebol mas ñ tenho velocidade o q faào para ter velocidade?

    • Tega · abril 12, 2011

      Olá, Lucas! Obrigado pelo contato. Qual a sua idade? Em que posição do campo se sente bem jogando? A velocidade no futebol é muito relativa. O Messi tem uma velocidade pequena, se comparado a um atleta que corre os 100m rasos, concorda? Porém o camisa 10 do Barcelona é extremamente veloz numa arrancada ao gol adversário com a bola nos pés.
      Aguardo seu retorno para continuarmos a reflexão. Um abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s