O que explica o Internacional


roda_gigante.jpg

“…se você pretende dar um passo acima da análise normalmente superficial feita pelos atores envolvidos no futebol, você precisa ir além.”

Via Universidade do Futebol, por Oliver Seitz.

Analisar sucesso no futebol é sempre uma tarefa complicada e recheada de erros. Quando um time ganha uma partida, isso obviamente faz dele melhor do que o time que perdeu, do contrário o resultado não teria acontecido, independente das variações probabilísticas em curso. Daí a dizer que esse time que ganhou é sempre melhor do que o perdedor ou do que outros com quem ele nem jogou, há um abismo. E esse abismo, muitas vezes, não é respeitado.

Você já leu aqui que futebol é um fenômeno cíclico. Um amigo sabiamente me disse certa vez que todo jogador, independente do quão perna-de-pau for, um dia será chamado de craque. E provavelmente voltará a ser chamado de perna-de-pau pouco tempo depois. O mesmo acontece com times. Todo time será considerado bom em um dia e será considerado ruim no outro, para voltar a ser considerado bom, para depois retornar à ruindade. E assim a roda vai girando. É natural que times passem por ciclos de sucesso e de fracasso.

Esses ciclos, porém, tem sempre alguma motivação. Eles não são decorrentes de processos descontrolados, muito pelo contrário. São frutos de situações, trabalhos e projetos que fazem com que o time obtenha sucesso ou não. Muitas vezes esses processos são invonluntários, o que torna o sucesso instantâneo e breve. Em outras tantas, não.

Assim, se você pretender dar um passo acima da análise normalmente superficial feita pelos atores envolvidos no futebol, você precisa entender que se um time ganha um campeonato, pode ser sim por uma conjuntura única de fatores que dificilmente conseguirá ser replicada. Quando isso acontece, há pouco o que se comentar ou se estudar. Porém, quando um time consegue manter um alto nível de performance por alguns anos em sequência, aí sim há alguma coisa maior acontecendo com ele.

O Atlético Paranaense é um exemplo. No final dos anos 90, o clube conseguiu inventar um mercado novo de atuação, a transferência de atletas medianos. Começou a buscar jogadores desconhecidos e revendê-los para clubes mais ricos no Brasil e, principalmente, no exterior. Com isso, o clube conseguiu ampliar consideravelmente sua receita, o que o levou a entrar em um ciclo de vitórias que teve a primeira clara manifestação em 2001, com o título brasileiro, e terminou em 2004, com o vice-campeonato. A partir dali, o mercado que ele criou passou a ser ocupado por outros clubes, como São Paulo e Cruzeiro.

Em 2002, com a revelação de uma excepcional safra de jogadores, o Santos conseguiu iniciar um ciclo que resultou em dois títulos nacionais e durou até 2007. Em 2005, o São Paulo, com a atuação forte no mercado de empréstimos e de jogadores em fim de contrato, conseguiu criar um outro ciclo de sucesso, que pode ou não estar próximo do fim, possivelmente por conta da entrada de grupos de investidores no mercado, que criou uma nova fase no mercado de jogadores brasileiros e tornou escassa a disponibilidade de jogadores minimamente talentosos por um preço razoavelmente baixo.

O grande beneficiário dessa nova fase do mercado de transferências, com grandes grupos atuantes, parece ser o Internacional, que se relaciona muito bem com estes grupos e tem uma ligação quase que de mecenato com um dos maiores investidores existentes. E esse ciclo, que só se tornou possível por conta de grandes reformulações que o clube no início desse século, é o que pode explicar o grande sucesso do time, que culminou com a nova conquista da Libertadores.

Muito vai se dizer nos próximos dias sobre como que o programa de sócios do Internacional é fundamental para o sucesso do clube. Por mais que o programa seja louvável, porém, a influência dele no sucesso do time é mínima. Se muito, pode complicar o clube no futuro próximo, já que muitos desses mais de 100 mil sócios vão querer se eleger para a presidência ou diretoria, o que possivelmente tornará a disputa política interna algo com um potencial bastante destrutivo para a estrutura administrativa do clube, que precisará ser recheada de acertos, arranjos e favores políticos. No mais, independente dos sócios, a média de público do clube gira em torno de 17 mil torcedores, o que é pouco para ser considerado uma força diferenciada em relação a outros clubes.

Aparentemente, o que responde mesmo pela qualidade recente do time é a enorme habilidade do clube em negociar com diferentes grupos privados, seja na venda ou na compra de atletas, tanto nas equipes de base quanto na equipe profissional. Ao que tudo indica, o Internacional faz isso muito, muito bem, o que é louvável. Resta agora apenas saber quanto tempo vai levar para que o mercado mude ou para que alguém comece a fazer isso melhor do que ele.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s