Ordem no Caos


dias_revolta2.jpg

“Tornar simples o que é complexo é uma dificuldade de qualquer profissional”

por Tostão

Quando entrei no curso de psicanálise, imaginei que jamais entenderia as ideias de Freud. Logo, percebi que seus textos eram tão claros, convincentes e simples, que até os mistérios da alma tinham lógica. Freud colocou ordem no caos.

Quando joguei ao lado de Pelé, percebi que uma de suas principais qualidades era tornar simples o que era complexo. Tudo se iluminava à sua frente. Antes de a bola chegar, Pelé parecia me dizer, com seu olhar vivo e amplo, tudo o que ia fazer. E fazia, porque tinha uma excepcional técnica. Muitos pensam e não fazem. Outros fazem (mal), sem pensar.

Há muitos jogadores habilidosos, que ensaiam grandes jogadas, mas nada acontece, por falta de técnica e/ou porque não sabem os caminhos mais simples. Enrolam. Parecem talentosos, mas não são. O talento vai muito além da habilidade. O talento é a união da habilidade, da técnica, da criatividade e de condições físicas e psicológicas.

Nada disso é suficiente se não houver o sopro, a chama, que ilumina e incendeia nossas vidas.

O mesmo ocorre em todas as atividades. Assim como os melhores professores não são sempre os melhores médicos, os melhores treinadores não são sempre os que têm mais conhecimentos técnicos, táticos e informações. São os que possuem tudo isso e mais a capacidade de observar, intuir e simplificar.

Não existe também o ótimo técnico somente prático, que fala a “linguagem dos boleiros”, sem ter conhecimentos científicos. A teoria sem a prática é incompleta. A prática sem a teoria é uma grosseira simplificação.

O jovem técnico do São Paulo, Sérgio Baresi, chama atenção em suas entrevistas pelo excesso de palavras e expressões técnicas, acadêmicas, algumas incompreensíveis. Além da insegurança de um jovem, tentando mostrar seus conhecimentos, Baresi, por seus gestos e palavras, parece um estudioso, um CDF, que acabou de sair, após longo tempo, de um laboratório de pesquisas.

Uma ótima reportagem mostrou em um jornal paulista mostrou que Baresi dá treinos com cinco gols, cinco goleiros, faz coletivos com mais de 22 jogadores e outros detalhes, além de distribuir pendrives e DVD´s para os jogadores conhecerem os adversários. Tudo com base científica.

Tomara que Baresi não seja apenas um teórico. O futebol precisa de treinadores e de profissionais que saibam como fazer e que saibam fazer.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s