A (Des)contaminação do Marketing no Futebol

Não deveria o objetivo de qualquer marca ser querida pelas pessoas?

Um dos cases dos mais criativos e bem elaborados da história recente do marketing esportivo no futebol: Racing Club e Banco Hipotecário da Argentina.

Sem dúvida alguma, tornou o futebol um pouco menos “contaminado” pelo marketing.

Anúncios

Um Livro às Quintas

“Una red de significado interpretada desde el paradigma de la complejidad”

El Modelo de Juego del FC Barcelona – Oscar P. Cano Moreno

MC Sports, 2010.

Oscar Moreno condena e derruba a barreira existente entre teoria e prática, nos conduzindo pelo sinuoso universo das teorias dos sistemas dinâmicos e nos convidando a entender a complexidade do jogo –  desde as evidências da imprevisibilidade à análise minusciosa da construção do modelo de jogo do F.C. Barcelona.

As Lições de Steve Jobs para o Futebol (Homenagem)

“Criatividade é apenas conectar as coisas.”

(Steve Jobs, co-fundador e presidente eterno da Apple.)

(Texto de Março de 2009)

Li pela segunda vez o livro “A Cabeça de Steve Jobs”, de Leander Kahney – editor da revista eletrônica Wired.com.
Ao traçar um paralelo de algumas lições de Steve com outros segmentos corporativos, foi na indústria da bola que as coisas se conectaram bem. Teria algo a ensinar ao futebol o homem que é sinônimo de inovação e que desde os anos setenta vem transformando a maneira de pensar da informática, da indústria de animação e, mais recentemente, da música digital?

Busque informação; não faça suposições. Como gestor, audite constantemente o seu clube (empresa) e tome decisões através de dados objetivos. Ter informação não é o mesmo que ter conhecimento.

Foco significa dizer “não”. Steve tem um grupo pequeno de ótimos profissionais que concentram seus esforços em poucos projetos. Identifique as unidades de negócio prioritárias de seu clube, direcione os melhores profissionais à esses focos e execute-os da melhor maneira.

Encontre uma maneira fácil de apresentar novas idéias. Nem sempre os seus próprios funcionários compram a sua idéia ou projeto, ainda mais se mudanças de cultura ou de paradigma estiverem em jogo. Trace uma estratégia para vender bem a sua proposta. O sucesso, antes de mais nada, depende desta tarefa caseira.

Inclua todo mundo. O design não se restringe somente aos designers. Profissionais do marketing, programadores e engenheiros podem descobrir juntos como desenvolver um produto melhor. Não, não estou dizendo que a nutricionista ou o psicólogo devam escalar a equipe. Nem tampouco achar que o departamento de marketing tenha a função de determinar a melhor data para colocar o garoto propaganda do clube de titular. Esta é a função do técnico, o orientador tático, e ainda continuará sendo. Mas a lição serve para mostrar que o conhecimento, quando integrado e coordenado para determinado fim, seja na área técnica, administrativa etc., pode ser melhor aproveitado.

Só estabeleça parcerias com atores nota 10 e demita os idiotas. Invista em pessoas. Ter funcionários talentosos é uma das principais vantagens competitivas diante da concorrência. Sempre perderemos talentos – sejam atletas ou profissionais da área técnica – para outros clubes com maior poder aquisitivo. É a lei da selva. Invista em capacitação sempre e seja um gestor profissional, identificando quem realmente possa contribuir para o seu negócio ou quem já deixou de remar faz tempo.

Não dê ouvidos aos que só dizem “sim”. Trave combates intelectuais. O pensamento crítico e criativo sempre será bem vindo. Desafiar idéias é um dos hobbies preferidos de Steve. Desconfie se as pessoas ao seu redor estiverem dizendo amém à tudo que propõe. São essas pessoas que lhe contradizem após um fracasso e, na maioria das vezes, fazem as críticas indiretamente.

Dê total liberdade a seus parceiros. Criatividade não está restrita ao meio tecnológico. A inovação está presente em todos os segmentos da nossa vida: do GPS do carro ao material da chuteira do atacante. De quem foi a idéia de explorar a camisa do seu time para vender uma marca ou produto?

Não perca o consumidor de vista. Estude o mercado e o setor. Coloque-se no lugar do consumidor (torcedor) e analise se o serviço criado atende as expectativas dele ou atende as suas. Esteja vigilante em relação as tendências da indústria do futebol e seja amigo das pesquisas e dos números.

Faça as coisas em equipe. O iPod e o iPhone não foram inventados por uma única pessoa. O sucesso numa temporada, por exemplo, vem do trabalho em equipe e valorizar este aspecto, dividindo responsabilidades e louros, é no mínimo, o caminho mais adequado a seguir.

Estude. Steve não chegou ao final de uma gradução, mas é um profundo conhecedor de arte, arquitetura e design. Isto o coloca em pé de igualdade ao conversar com especialistas de outras áreas na tomada de decisões sobre os rumos de sua empresa.

No futebol brasileiro, por exemplo, para muitos basta ter sido um ex-atleta para ter vaga garantida como treinador ou dirigente esportivo. Nossa cultura no esporte é um pouco desse jeito. O conhecimento científico não precisa entrar em campo e a figura caricata do dirigente – que solta pérolas da bola, trata o torcedor com desrespeito e acha que sabe tudo sobre futebol – ainda existe e irá continuar existindo.

Mas no futuro, serão nos modelos de desenvolvimento sustentado que encontraremos profissionais modernos, eficazes e que conhecem (estudaram) vários aspectos que compõe o conhecimento sobre futebol, ou pelo menos, dividem tal sabedoria com profissionais especialistas numa visão integrada.

No vídeo abaixo, Steve Jobs narra o primeiro comercial ‘Think Different’ em 1997, chamado de “Here’s to the Crazy Ones”.

“Because the people who are crazy enough to think they can change the world… are the ones who do.”

O que Steve Jobs significa para mim

por Tiago Doria

Acredito que o grande mérito de Steve Jobs foi:

1) Ter transformado computadores em objetos de consumo, em objetos que não fossem utilizados somente por especialistas, mas que pudessem ser tão intuitivos e corriqueiros de usar quanto um aparelho de televisão
2) E ter descoberto a “competência central” da Apple (usabilidade e design), em seu retorno à empresa em 1996. A partir daí, Jobs aplicou essa competência a diversos mercados e produtos. iPad, iPod, iTunes foram consequência dessa atitude.

Entre outras coisas, ele mostrou ao mercado que a internet é device agnostic e que, antes de tudo, as pessoas estão atrás de facilidade na web.

Jobs entendeu muito bem a dinâmica da área de tecnologia, um meio onde você é valorizado não por quem é, mas sim pelo que faz. Não é à toa que, mesmo após ter o seu nome garantido na história da computação, ele insistiu em trabalhar dia e noite e lançar novos produtos.

Para mim, ficam várias lições. Por mais estranho que possa parecer, todas elas não-tecnológicas.

A importância do peopleware, de trabalhar com o que gosta e de estar no lugar certo e na hora certa, além do equilíbrio entre vida pessoal e profissional.

Há uma frase de Steve Jobs que define bem tudo isso. Aliás, ela foi dita ao lado de outro ícone, quando Jobs se encontrou com Bill Gates durante a conferência D: All Things Digital, em 2007.

No palco da conferência, ao lado de Gates, Jobs fez uma rápida avaliação da sua própria vida.

“Vejo-nos como dois dos caras mais sortudos do planeta. (…) Encontramos o que amamos no lugar certo e no tempo certo, família, trabalho, amigos. Que mais poderíamos pedir?”

A Incrível História do Panyee F.C.

Este filme é baseado numa história real e deu origem a uma campanha publicitária do Thai Military Bank “Make the diference”, com o propósito de inspirar as pessoas a pensarem de maneira diferente.

Koh Panyee é uma vila flutuante ao sul da Tailândia, constituída de palafitas e tábuas pregadas umas às outras e fica literalmente no meio do oceano.

As crianças desta vila são apaixonadas por futebol e amam assistir aos jogos pela TV, mas não possuem terra firme para treinar ou jogar, quanto mais para ter um campo de futebol.

Mas essa limitação não foi suficiente para detê-los.

Inspirados pela Copa do Mundo de 1986, decidiram que precisavam construir o seu próprio espaço, seu próprio campo de futebol.

Conseguiram juntar madeira que ficava ao redor da vila e, todos os dias, ao final da escola, trabalharam juntos para montar uma quadra flutuante.

Mesmo sendo um espaço improvisado e escorregadio, com pregos que machucavam os pés, os garotos passaram a jogar bola sempre que podiam.

Decidiram então entrar na disputa de um campeonato e, mesmo com a estrutura surreal, os garotos do Panyee Futebol Clube surpreenderam a todos e chegaram às semifinais, ganhando destaque na mídia no país.

Acabaram ganhando uma nova quadra de presente, dessa vez sem pregos e com proteções para a bola não cair na água.

Atualmente, o Panyee FC é considerado um melhores times do sul da Tailândia e conquistou vários títulos nas categorias de base.

Coisas do Futebol…

Um Livro às Quintas

image.jpeg

“A história do menino que queria ser como José Mourinho”

Ganda Bomba, o Pequeno Treinador – Manuel Arouca

Oficina do Livro, 2006.

Lourenço Figueiredo tem doze anos, vive em Cascais e gosta de jogar Football Manager. O seu pai, técnico de futebol, é contratado pelo clube Estoril Praia. Lourenço vive intensamente os jogos de futebol da equipe do pai, ao mesmo tempo em se que se encontra apaixonado por Sofia, a garota mais linda da 7a série.

Quem não gosta do mundo do futebol é a mãe de Lourenço – uma mulher carinhosa e cheia de garra, com quem ele desabafa os seus desamores – e a sua irmã, uma garota capaz de fazer cair o queixo de qualquer adolescente.

O Pequeno Treinador narra as aventuras que farão nos recordar de nossas próprias histórias: a relação com a família, os amigos, os amores e a euforia contagiante do futebol.

Life’s for Sharing

Life’s for Sharing

O comercial da T-Mobile na Inglaterra tornou-se um dos melhores e mais bem produzidos virais da internet há alguns meses.

Vale começar a semana ouvindo a bela seleção musical desta produção, que reuniu mais de 350 dançarinos.

As Lições de Steve Jobs para o Futebol (Mac+)

Mac+ Criatividade.jpg

Fui brindado com a publicação do artigo ‘As Lições de Steve Jobs para o Futebol’ na edição do terceiro aniversário da revista brasileira Mac+, especializada em tecnologia e em produtos Apple. Para quem ainda não leu, segue o artigo adaptado e que pode ser visto na última página da Mac+ número 36, ou neste PDF.

O artigo original e sem adaptações está aqui.

I Will Follow Ronaldo

Homenagem divertida à superação do ídolo Ronaldo, com destaque ao coral dos Melhores do Mundo, numa montagem bem humorada do Fenômeno, que joga, encanta e, agora, também canta.

Produzido por Carlos Fernandes.

Dedo Correto

Ronaldo, na comemoração do Gol contra o SPFC.

Ronaldo, na comemoração do Gol contra o SPFC.

Ronaldo, atleta inteligente: comemora o gol com o dedo certo, leva o Corinthians à decisão do Campeonato Paulista e fatura mais alguns trocados com a Brahma…

As Lições de Steve Jobs para o Futebol

IPT-LOSBALLS.jpg.jpeg

“Criatividade é apenas conectar as coisas.”

(Steve Jobs, co-fundador e presidente da Apple.)

Li pela segunda vez o livro “A Cabeça de Steve Jobs”, de Leander Kahney – editor da revista eletrônica Wired.com.
Ao traçar um paralelo de algumas lições de Steve com outros segmentos corporativos, foi na indústria da bola que as coisas se conectaram bem. Teria algo a ensinar ao futebol o homem que é sinônimo de inovação e que desde os anos setenta vem transformando a maneira de pensar da informática, da indústria de animação e, mais recentemente, da música digital?

Busque informação; não faça suposições. Como gestor, audite constantemente o seu clube (empresa) e tome decisões através de dados objetivos. Ter informação não é o mesmo que ter conhecimento.

Foco significa dizer “não”. Steve tem um grupo pequeno de ótimos profissionais que concentram seus esforços em poucos projetos. Identifique as unidades de negócio prioritárias de seu clube, direcione os melhores profissionais à esses focos e execute-os da melhor maneira.

Encontre uma maneira fácil de apresentar novas idéias. Nem sempre os seus próprios funcionários compram a sua idéia ou projeto, ainda mais se mudanças de cultura ou de paradigma estiverem em jogo. Trace uma estratégia para vender bem a sua proposta. O sucesso, antes de mais nada, depende desta tarefa caseira.

Inclua todo mundo. O design não se restringe somente aos designers. Profissionais do marketing, programadores e engenheiros podem descobrir juntos como desenvolver um produto melhor. Não, não estou dizendo que a nutricionista ou o psicólogo devam escalar a equipe. Nem tampouco achar que o departamento de marketing tenha a função de determinar a melhor data para colocar o garoto propaganda do clube de titular. Esta é a função do técnico, o orientador tático, e ainda continuará sendo. Mas a lição serve para mostrar que o conhecimento, quando integrado e coordenado para determinado fim, seja na área técnica, administrativa etc., pode ser melhor aproveitado.

Só estabeleça parcerias com atores nota 10 e demita os idiotas. Invista em pessoas. Ter funcionários talentosos é uma das principais vantagens competitivas diante da concorrência. Sempre perderemos talentos – sejam atletas ou profissionais da área técnica – para outros clubes com maior poder aquisitivo. É a lei da selva. Invista em capacitação sempre e seja um gestor profissional, identificando quem realmente possa contribuir para o seu negócio ou quem já deixou de remar faz tempo.

Não dê ouvidos aos que só dizem “sim”. Trave combates intelectuais. O pensamento crítico e criativo sempre será bem vindo. Desafiar idéias é um dos hobbies preferidos de Steve. Desconfie se as pessoas ao seu redor estiverem dizendo amém à tudo que propõe. São essas pessoas que lhe contradizem após um fracasso e, na maioria das vezes, fazem as críticas indiretamente.

Dê total liberdade a seus parceiros. Criatividade não está restrita ao meio tecnológico. A inovação está presente em todos os segmentos da nossa vida: do GPS do carro ao material da chuteira do atacante. De quem foi a idéia de explorar a camisa do seu time para vender uma marca ou produto?

Não perca o consumidor de vista. Estude o mercado e o setor. Coloque-se no lugar do consumidor do seu produto (torcedor) e analise se o serviço criado atende as expectativas dele ou atende as suas. Esteja vigilante em relação as tendências da indústria do futebol e seja amigo das pesquisas e dos números.

Faça as coisas em equipe. O iPod e o iPhone não foram inventados por uma única pessoa. O sucesso numa temporada, por exemplo, vem do trabalho em equipe e valorizar este aspecto, dividindo responsabilidades e louros, é no mínimo, o caminho mais adequado a seguir.

Estude. Steve não chegou ao final de uma gradução, mas é um profundo conhecedor de arte, arquitetura e design. Isto o coloca em pé de igualdade ao conversar com especialistas de outras áreas na tomada de decisões sobre os rumos de sua empresa. No futebol brasileiro, por exemplo, para muitos basta ter sido um ex-atleta para ter vaga garantida como treinador ou dirigente esportivo. Nossa cultura no esporte é um pouco desse jeito. O conhecimento científico não precisa entrar em campo e a figura caricata do dirigente – que solta pérolas da bola, trata seu consumidor com desrespeito e acha que sabe tudo sobre futebol – ainda existe e irá continuar existindo. Mas no futuro, serão nos modelos de desenvolvimento sustentado que encontraremos profissionais modernos, eficazes e que conhecem (estudaram) vários aspectos que compõe o conhecimento sobre futebol, ou pelo menos, dividem tal sabedoria com profissionais especialistas numa visão integrada.

KAHNLEY, Leander. A Cabeça de Steve Jobs (2008). Agir, Rio de Janeiro, Brasil.

A Escola Mata a Criatividade?

“A criatividade pode ser definida como o processo de ter idéias originais que possuam valor, e que, manifesta-se com bastante frequência através da interação de diferentes formas de se ver as coisas.”

(Ken Robinson – Educador Inglês)

O especialista em criatividade, Sir Ken Robinson, nos remete à reflexão sobre a maneira que estamos educando os nossos filhos.

Nesta brilhante apresentação, ele defende uma reformulação radical do nosso sistema escolar, para cultivar a criatividade e reconhecer vários tipos de inteligência.

Assista a segunda parte da palestra clicando aqui.

Extraído do blog Fazendo E-Learning, via TED.

O Jogador de Futebol Inteligente

2971106765_53699dc34fjpg

“Antigamente, inteligente era aquele bom em matemática, ou que tivesse um pensamento lógico e claro, ou que conseguisse falar bem.”

do Manual do Atleta Inteligente

O que é inteligência?

Esse conceito vem mudando muito. Antigamente, inteligente era aquele bom em matemática, ou que tivesse um pensamento lógico e claro, ou que conseguisse falar bem. Ou aquele que tivesse estudado e soubesse muita coisa de um ou de vários assuntos.

Muita gente ainda pensa assim, mas estudos mostraram que a inteligência é bem mais do que isso.

Basicamente a inteligência pode ser definida como “a capacidade que o ser humano tem para resolver problemas”. Mas problemas aparecem a toda hora na nossa vida. E não é só com pensamento lógico ou falando que conseguimos resolvê-los. Precisamos ainda de força de vontade, coragem, intuição, criatividade, habilidade, conhecimento e atitude. Ser inteligente reúne todos esses ingredientes. Os orientais resumem bem: “Se você sabe e não faz, ainda não sabe”.

Com este entendimento mais ampliado os estudiosos começaram a desenvolver outros conceitos que incluem muitos outros tipos de inteligência, além da tradicional inteligência lógicoformal (matemática, línguas, oratória).

Foi assim que surgiram conceitos como a inteligência emocional (a sua capacidade de controlar emoções), inteligência social ou interpessoal (capacidade de se relacionar com as outras pessoas), inteligência motora (saber usar o corpo para resolver determinadas situações), inteligência musical (fazer músicas ou tocar um instrumento)… e assim por diante.

É com essa nova visão de “inteligência” que vamos falar do jogador de futebol.

Assim, o jogador de futebol inteligente resolve os problemas dentro de campo, o que é importante para ganhar e ter sucesso, claro. Então, treina e faz amistosos. Mas, para jogar bem, o atleta não pode depender só de treinos e jogos. Precisa de conhecimentos, de habilidades e de atitudes também fora do campo.

E isso faz uma grande diferença. Para toda a sua vida – não só de jogador.