Entender para Transformar – o futuro do futebol brasileiro em jogo.

changes

O grupo O JOGO, formado por João Paulo Medina, Sandro Orlandelli, Thiago Scuro e este que vos escreve, buscou neste período de reflexões e encontros propostos pelo Futebol do Futuro, responder a estas questões. Embora tenhamos juntado e construido vários elementos para respondê-las, é fundamental, a partir de agora, que estes questionamentos técnicos entrem nas agendas dos responsáveis e dirigentes do futebol brasileiro.

1) Que tipo de jogo os clubes pretendem que suas equipes (principal e categorias de base) joguem no atual cenário do futebol mundial? Já existe esta referência? Como ela é (ou pode ser) construída metodologicamente? Os clubes têm noções claras sobre a importância destas questões estratégicas?

2) Podemos dizer que temos hoje uma “Escola Brasileira de Futebol” que defina modelos de jogo, estilo, padrões táticos? Neste aspecto, em que estágio estamos em relação a, por exemplo, Espanha, Inglaterra, Alemanha, Holanda?

3) Continuamos produzindo “talentos” (craques) em profusão para o futebol como em décadas passadas? Se não, sabemos por quê? Não haveria um mecanismo de “exclusão” dos verdadeiros talentos (jovens mais habilidosos, mas fracos fisicamente) no atual processo de seleção de atletas na maioria dos clubes do futebol brasileiro, ao se priorizar apenas jogadores que sejam bem dotados fisicamente e mais aptos para ganharem campeonatos e competições nas categorias de base?

4) Os clubes tem clareza sobre como desenvolver seus processos de seleção, captação e desenvolvimento de atletas, sintonizados com as demandas do século XXI e seu processo intenso de globalização?

5) As instituições responsáveis, direta ou indiretamente, pela prática do futebol no Brasil (Confederação, Federações, Clubes, Escolinhas de Futebol, Ministério do Esporte…) tem consciência da importância estratégica de desenvolvermos mecanismos e processos de formação, capacitação e atualização profissionais no futebol (e não apenas para o alto rendimento)? Como são formados hoje os profissionais que atuam no futebol? Este tema está na agenda de nossos dirigentes?

Anúncios

L’Equip Petit

Esse não é uma história de uma equipe de futebol de meninos e meninas que durante a temporada, toma 271 gols e faz apenas 1. É uma demonstração da grandeza do ser humano e da vida, através das crianças e do futebol.

A Grande Sacada para as Categorias de Base: Capacitar seus Atletas

“Chegará o dia em que estará criado um processo irreversível nas categorias de base, onde trocas de comando de um clube – técnicas, administrativas ou políticas – não terão o efeito necessário para que os atletas deixem de refletir e contestar os métodos de treinamento.”

Em tempos de crises e mídias sociais, muita coisa vem acontecendo por todo o planeta. Corruptos são presos pela manhã e soltos à tarde, países ricos ficam pobres ao anoitecer e a consciência coletiva de que algo precisa ser feito pela nossa subsistência e qualidade de vida deixa de ser clichê.

E o futebol (ah o futebol!), também vive suas particularidades. Apesar dos clubes continuarem a gastar mais do que recebem e das seleções tradicionais não mais figurarem isoladas no topo do ranking da FIFA, mais pessoas comuns analisam o jogo: estudiosos, curiosos e gente interessada em saber de verdade o que acontece dentro das quatro linhas.

Principalmente no continente europeu, onde há décadas se estudam e aplicam as novas teorias relacionadas ao jogo e treinamento do futebol e, muito em função disso, começamos a perceber um distanciamento qualitativo de algumas equipes e seleções em relação ao resto do mundo. E, infelizmente, o Brasil está incluído neste resto.

O grande desafio nos próximos anos será pela busca da popularização em solo tupiniquim, desse olhar mais científico, lógico e nem menos apaixonante sobre o futebol.

Muito embora as novas maneiras de enxergar o jogo e o treino do futebol sejam positivas, permitindo inclusive que alguns desvios no processo de formação de atletas sejam corrigidos, resistências a este novo olhar sempre irão ocorrer. E as comparações entre metodologias de trabalho, muitas vezes sem embasamento científico, serão inevitáveis.

Como treinar uma equipe de futebol aproximando-a da imprevisibilidade (e realidade) do jogo, e como trabalhar nas equipes técnicas de maneira integrada e com mais qualidade, são questões essenciais a serem respondidas por quem pretende estar à frente do seu tempo.

Nos esportes coletivos, e no futebol em particular, pesquisadores e especialistas dissecaram as dinâmicas do jogo, que apontaram para eventos comuns e com padrões que se repetem. Foram identificados quatro momentos que nos permitem entender as tais dinâmicas: defesa, transição ao ataque, ataque e transição à defesa.

Nessas quatro situações, todos os jogadores tem um comportamento muito particular em campo, com ou sem a bola.

Os jogadores se relacionam e formam um todo organizado, que é a equipe. Cada equipe tem seus próprios jogadores que se relacionam uns com os outros de maneira particular e essas relações variam quando a equipe está atacando, defendendo e realizando as transições.

Por exemplo: com a bola, os jogadores agem com o objetivo de manter a sua posse na busca pelo gol adversário. Os atletas irão se relacionar dentro do campo de uma forma bastante específica para que isso ocorra. Quando a equipe está sem a bola, os jogadores irão criar dificuldades para que a equipe adversária progrida no campo de jogo e consiga chegar à sua meta. Nestes dois exemplos, os comportamentos e intenções dos jogadores e da equipe são bem distintos.

E o treinador pode moldar a forma como a equipe joga nesses momentos. Modelo de Jogo é o nome dado à forma como a sua equipe deve se comportar no jogo de uma maneira geral, ou seja, como ela defende, ataca e faz as transições. Está intrinsecamente ligado à estrutura da equipe, ou seja, como ela pretende construir o seu jeito de jogar.

A escolha dos atletas é realizada respeitando essas características e devem estar sintonizadas com as ideias do treinador, que por sua vez, irá procurar estar conectado com a cultura e filosofia do clube.

O comportamento dos jogadores e da equipe, em cada momento, pode variar com intenções diferentes, ou seja, o treinador pode influenciar a forma como a relação entre os jogadores acontecerá em cada um dos quatro momentos do jogo.

Na teoria, chamamos de princípios estruturais a forma como os atletas devem se posicionar no campo de jogo. Já princípios operacionais é o nome dado ao que fazer em cada momento do jogo (defesa, ataque e transições).

O futebol é um jogo complexo e saber fazer funcionar as relações entre os jogadores durante a partida é a chave para a obtenção de sucesso.

Saber o que e como fazer nos momentos do jogo é o xis da questão.

A partir deste entendimento é que podemos moldar a forma de como a equipe deve treinar, aproximando-a da realidade da partida e do que ela poderá encontrar diante de um adversário. Inicia-se a construção do jogar da equipe, ou seja, o Modelo de Jogo começa a ganhar vida.

Os jogos reduzidos e adaptados tem papel importante em algumas propostas metodológicas no futebol. Mas como qualquer remédio, não basta apenas ler a bula para aplicá-lo. Um médico deve ser consultado e, de preferência, um que reconheça e reflita o valor das teorias antes de sair cortando com seu bisturi.

De maneira muito incipiente, algumas boas iniciativas começam a ser percebidas em nosso país, muito em função da sensibilidade de profissionais em cargos de direção e coordenação, que partem para um processo de reciclagem de seus recursos humanos, particularmente dos profissionais que atuam dentro de campo.

E mesmo restrito às categorias de base, alguns clubes brasileiros dão seus primeiros passos em direção aos novos tempos, criando ambientes de aprendizagem aos gestores de campo, buscando reciclar suas equipes técnicas com profissionais mais sintonizados com esta nova perspectiva.

A próxima e mais importante etapa, será a conscientização e capacitação dos atletas das categorias de base, melhorando o canal de comunicação com seus treinadores e facilitando o diálogo sobre o porquê deste ou daquele tipo de treinamento.

Dessa forma, estará criado um processo irreversível, onde trocas de comando de um clube – técnicas, administrativas ou políticas – não terão o efeito necessário para que os atletas deixem de refletir e contestar os métodos de trabalho

Orquestra X Exército

Barcelona-Real-Madrid_LANIMA20110416_0032_26.jpg

“A bola não entra por acaso?”

Para quem gosta de futebol, falar de Barcelona e Real Madrid é inevitável nos dias de hoje. Principalmente porque num intervalo de 18 dias, teremos o privilégio de acompanhar quatro partidas sendo disputadas entre as duas equipes espanholas: uma pelo Campeonato Espanhol 2010-2011 (empate em 1X1, em Madrid), uma pela final da Copa do Rei (vitória do Real Madrid por 1X0, em Valência) e duas pelas semifinais da Liga dos Campeões da Europa (0X2 em Madrid e 1X1 em Barcelona).

Confesso que há tempos não escrevia um texto mais elaborado, em parte por ter encontrado no Twitter (@tega) uma saída mais rápida para descarregar as ideias, mesmo que limitadas a 140 caracteres. Mas nos últimos dias consegui reunir algumas anotações, contando com ajuda dos amigos, ao fazer a seguinte provocação: como uma orquestra pode vencer um exército?

Esta analogia pode ser percebida se compararmos os desempenhos de duas das principais equipes de futebol do mundo.

O F.C. Barcelona, seria a orquestra. Repleto de músicos tecnicamente excelentes e com inteligência de jogo (*) mais consolidada e acima da média. Possui um maestro competente, de comprovada liderança e de conhecimentos suficientes para reger seus atletas e manter a harmonia da equipe, mas que não é tão fundamental…

O modelo de jogo (o norte, ou seja, como a equipe treina e se porta nos jogos, no sistema defensivo, nas transições e no sistema ofensivo) é muito bem definido e aproxima-se da excelência, e não muda em função do adversário. A posse de bola é muito valorizada durante toda a construção desse processo.

A cultura de jogo mistura-se à sua filosofia: ‘Més que un Club’ e vem sendo construída há anos, reproduzindo-se desde suas categorias de base. O perfil de seus atletas reflete muito bem esta cultura e dificilmente desafinam ou saem do tom, principalmente porque o F.C. Barcelona é um clube formador.

Já o Real Madrid seria o exército. Muito mais dependente de seu comandante, que além de ser um grande líder é peça fundamental ao criar as estratégias e armadilhas que sejam bem executadas em cada batalha. Compromete seus atletas com uma meta principal e extrai o máximo deles, individual e coletivamente. Os soldados também são considerados tecnicamente excelentes, mas com inteligência de jogo em processo de desenvolvimento. Recrutados a peso de ouro, coadunam com o perfil de clube comprador que é o Real Madrid.

Talvez por este motivo fique mais fácil perceber que o clube ainda não possui uma cultura de jogo definida. Já o seu modelo de jogo é bem executado, mas ainda distante da excelência. Mais flexível, muda de acordo com o adversário, valorizando a progressão rápida ao gol.

Se constatarmos que os imaginários “exército” e “orquestra” estão em condições iguais de disputa: mesmo número de jogadores, treinadores ávidos por colocarem seus nomes na história e onde “armas” e “instrumentos” se transformam simplesmente em suor e chuteiras, conseguiríamos determinar quem tem mais chances de sair vencedor dos confrontos?

Em quem você apostaria: na orquestra ou no exército?

Entender melhor o contexto das duas equipes pode nos preparar para realizar escolhas mais acertadas e permitir um melhor convívio com fatores que não podemos controlar. Neste sentido, competência, dedicação, estrutura de trabalho e recursos financeiros são ingredientes importantes, mas não representam tudo o que deve ser considerado.

No futebol, e na vida de forma geral, existem novas maneiras de enxergarmos uma situação, e que coloca em xeque tudo o que acreditamos saber até então.

Como afirma o ex- vice presidente do F.C. Barcelona, Ferrán Sorian, ‘A bola não entra por acaso’.

Mas talvez ela entre sim, mais do que possamos imaginar.

(*) a inteligência de jogo é a capacidade de resolver as situações-problema do jogo de maneira eficiente utilizando seu acervo técnico, tático, físico e psicológico.

Fim de Jogo

Já com saudades, publico a última coluna de Bernardo, o ermitão – personagem do mestre João Batista Freire – que desde 2008  nos brinda na Universidade do Futebol com a vida deste ex-torcedor fanático, que decidiu largar tudo e viver numa caverna com seus companheiros Aurora, Oto e Arnaldo, a amiga coruja questionadora, o simpático morcego e o bagre cego deslumbrado-com-os-prazeres -mundanos, respectivamente.
Todas as colunas do Bernardo você lê aqui.
“Quando a gente joga alguma coisa, nunca sabe o que vai acontecer, não conhece o fim da história, e é isso que dá graça ao jogo. Se sabe o fim, não é jogo”

 

Sem risco não há jogo, dizia-me Aurora, a coruja, na madrugada que declinava, cedendo lugar ao sol, um fino traço dourado no horizonte. No céu as estrelas aproveitavam-se de um resto de noite e eu aproveitava o que poderiam ser minhas últimas madrugadas neste lugar. Sim, eu pensava deixar a caverna, e já antecipava as saudades que sentiria de Aurora, minha amiga coruja, e das auroras que consumimos em conversas sobre a vida. Saudades que terei de Oto, meu amigo e mensageiro morcego, e do bagre cego Arnaldo, aquele que nunca me viu, mas que muito bem me conheceu.

Sem risco não há jogo, ia dizendo Aurora, como no caso daquele piloto brasileiro, o Felipe Massa, que deixou o companheiro passá-lo no final da corrida. Massa descumpriu a regra das regras do jogo, acabou com o risco, contou o final do filme, e tudo perdeu a graça. As crianças, quando o jogo perde a graça, dizem que não brincam mais e vão fazer outra coisa.

De fato, comentei com Aurora, quando a gente joga alguma coisa, nunca sabe o que vai acontecer, não conhece o fim da história, e é isso que dá graça ao jogo. Se sabe o fim, não é jogo. Numa conversa de trabalho, conversa-se para se achar uma solução. Numa conversa entre amigos que se encontram num bar, não há esse compromisso, a conversa se desenrola sem que haja compromisso com um fim.

Pena que os técnicos, mais que os jogadores de futebol, não saibam disso, disse Aurora. Fazem de tudo para não correr riscos, para contar o fim da história, para tornar o jogo sem graça. O futebol é um jogo e os técnicos insistem em não reconhecer isso.

Para mim, eu disse à coruja, o melhor técnico é aquele que entende que o futebol é um jogo, aquele que sabe que o técnico é um jogador, que é impossível saber o final da história, que sabe caminhar no escuro, que sabe lidar com o risco, com o imprevisível. O melhor técnico é um jogador de dados, o que tem a habilidade de caminhar pelo labirinto de imprevisibilidades.

E o melhor jogador de futebol, prosseguiu Aurora, é aquele que tira prazer, acima de tudo, da arte de correr o risco, de jogar o jogo da bola sem saber o que vai acontecer, e gostando de não saber. No jogo, não há compromisso com o resultado, mas apenas com o ato de jogar. O grande jogador não se compromete com o resultado, porque não é possível firmar esse compromisso com o desconhecido.

Afinal, completei, o que há de mais aborrecido que, no meio de um filme de suspense, alguém ao lado contar o final?

Penso em deixar a caverna, mas reluto. Os amanheceres que amanheci aqui talvez eu não amanheça em mais lugar nenhum. Mas acho que não conseguirei resistir à sedução do desconhecido que anda a me chamar para além da caverna, uma tentação que me roi a cada aurora. Se troco o certo pelo duvidoso? Sem dúvida, pois, acima de tudo, sou um jogador.

* Bernardo, o eremita, é um ex-torcedor fanático que vive isolado em uma caverna. Ele é um personagem fictício de João Batista Freire.

Aula Gratuita: Princípios Operacionais do Jogo

Como uma equipe se organiza imediatamente depois de perder a posse de bola? Será que existem referências para a organização dos jogadores em campo? Muitos autores buscam responder essas perguntas, com propostas que reforçam a melhor compreensão da organização dos jogadores em esportes coletivos. Está aula reúne conteúdos que exploram os Princípios Operacionais das equipes e responde suas questões principais.

Princípios Operacionais
Faça esta aula grátis
universidadedofutebol.com.br

O Futebol está Ficando Lento

Velocidade-Ronaldo.jpg

“Enquanto o futebol brasileiro se mantém no mesmo ritmo cadenciado, o europeu está cada vez mais veloz”

por Rodrigo Leitão, via Universidade do Futebol

Dia desses no Café dos Notáveis, encontrei o amigo Zagonariz.

Foi uma conversa rápida – estávamos como quase sempre, com o “tempo espremido” (tempo, que temo me faça falta em um futuro próximo, quando percebendo a fragilidade humana em tentar correr contra ele – descubra que ele se foi).

Mas vamos lá.

Eu e Zagonariz falamos um pouco a respeito da velocidade de jogo no futebol – como na Europa ele tem ficado cada vez mais rápido e movimentado, e o quanto isso não parecia ser verdadeiro no Brasil.

Pois bem.

A conversa foi curta, mas me despertou a necessidade de escrever algumas coisas a respeito do tema.

Não é incomum que quando uso o futebol europeu como exemplo de alguma coisa logo venham críticas e lembretes apontando para o fato de ser o brasileiro o “melhor futebol do mundo”.

Realmente não quero entrar nesta discussão. Não agora.

Quero, porém, chamar a atenção para o fato de que nós no Brasil somos apaixonados pela bola (nós todos que jogamos futebol, de forma amadora ou profissional).

Necessitamos ficar com ela a qualquer custo.

Jogadores quando a tem nos pés, parecem não perceber o tempo passar. Ficam com ela uma eternidade que as vezes dura 1, as vezes até 3 segundos (podem acreditar 1 segundo no futebol é sim muito tempo – quanto mais 3).

É inacreditável o que uma equipe pode fazer sob o ponto de vista organizacional em 3 segundos.

É quase incalculável como as dificuldades aumentam para a tomada de decisão, conforme mais tempo é gasto para isso. Ficar com a bola é uma coisa quase incorporada no jogar brasileiro. O mais “cruel” disso é que para vencer o jogo, uma equipe precisa se livrar dela (claro, arrematar ao gol significa “se livrar” da bola – e quanto mais arremates ao gol, mais chances de vencer o jogo).

Alguém pode me dizer, que o FC Barcelona é uma equipe vencedora, e que na maciça maioria das vezes tem mais posse de bola que seus adversários.

Isso é verdade, mas não se enganem pela aparente essência da informação.

O fato de a equipe ficar mais tempo com a bola não significa que seus jogadores fiquem muito tempo com ela quando a recebem – pelo contrário, é uma das equipes que têm os jogadores que mais rapidamente se livram dela (passando).

E esse talvez seja o fato que exatamente propicie ao FC Barcelona ter mais posse de bola que seus adversários (como roubar a bola de jogadores que quase não ficam com ela?).

Outra questão importante, é que podem também finalizar muitas vezes no jogo, se livrando da bola, mas recuperando-a rapidamente.

Fico um pouco preocupado, porque se não nos importarmos com a velocidade do jogo (nós brasileiros), em um futuro não muito distante estaremos sendo ultrapassados – e se pensarmos que nas categorias de base a cultura segue no mesmo ritmo, logo seremos atropelados.

Alguém ainda pode dizer que no final das contas o que importa é o talento criativo do jogador brasileiro. Concordo. E é isso que ainda nos sustenta (mas não por muito tempo).

Porém, por que não, talento criativo com velocidade? A velocidade na tomada de decisão e na ação, não se opõe à construção e desenvolvimento do talento criativo. Muito pelo contrário.

O problema, é que enquanto no próprio FC Barcelona (por exemplo), estão formando hábeis e rápidos jogadores criativos – o que já repercute na seleção espanhola – no Brasil parecemos estar pouco preocupados com a tal velocidade de jogo.

E aí, espero que um dia, isso não repercuta em um futebol de tartarugas.

Footecon 2010

O agradecimento especial ao prof. Parreira pelo convite em participar do Footecon 2010, um dos mais importantes eventos esportivos em nosso país.

Screen shot 2010-11-12 at 10.32.10.jpg

VII FÓRUM INTERNACIONAL DE FUTEBOL

O Footecon – Fórum Internacional de Futebol é um evento consagrado e estabelecido no calendário esportivo brasileiro, que oferece aos seus participantes a oportunidade de troca de experiências, atualização do mercado e relacionamento.

Um encontro 100% profissional, que conta com a expertise e coordenação de Carlos Alberto Parreira. O Fórum já se consagrou como o mais importante encontro da indústria nacional do futebol, reunindo anualmente seus principais profissionais, dirigentes esportivos, autoridades governamentais, mídia especializada, investidores e patrocinadores para palestras e debates dedicados ao esporte e sua gestão.

Dia 08 – Palestras e Debates

Qual o impacto do Calendário Brasileiro na Performance Técnica e Física dos jogadores.

Palestrante(s): Antonio Carlos Gomes, Fabio Mahseredjian, José Luiz Runco, Muricy Ramalho

horário: 09h30 às 10h30

———————————

Planejamento e avaliação de marcas no futebol

Palestrante(s): Rafael Plastina

horário: 09h30 às 10h30

 

———————————

Inovação e Criatividade na Gestão de Campo

Palestrante(s): Eduardo Tega, João Paulo Medina

horário: 09h30 às 10h30

 

———————————

Case Clube Internacional Benfica

Palestrante(s): a confirmar

horário: 10h30 às 11h30

 

———————————

Novas mídias e redes sociais no ambiente esportivo

Palestrante(s): a confirmar

horário: 10h30 às 11h30

 

———————————

Formação de atletas: Uma análise do mapa de atletas formados pelos clubes brasileiros

Palestrante(s): Marcelo Teixeira

horário: 10h30 às 11h30

 

———————————

Arena Multiuso: novas receitas para o futebol

Palestrante(s): Mauro Holzmann

horário: 12h às 13h

 

———————————

Painel – Os maiores desafios na gestão das categorias de base.

Palestrante(s): Felipe Ximenes (debatedor), Fernando Gonçalves (moderador), Jorge Macedo (Inter) (debatedor), Junior Camargo, Ricardo Drubsky (debatedor), Rodrigo Caetano (debatedor)

horário: 12h às 15h50

 

———————————

Escola Brasileira. A Volta do Futebol Arte – Criatividade e Talento

Palestrante(s): Dorival Jr, Zico

horário: 12h às 13h

 

———————————

Painel – Relacionamento da Mídia com o Profissional de Futebol

Palestrante(s): Joel Santana (debatedor), Mauricio Noriega (debatedor), Renato Ribeiro (debatedor), Tino Marcos (moderador)

horário: 15h às 16h

 

———————————

Novos modelos de Gestão no Futebol: estudo de caso Botafogo F.R.

Palestrante(s): Maurício Assumpção

horário: 15h às 16h

 

———————————

Preparação Física no Futebol: o que e quanto deve ser treinado?

Palestrante(s): João Bouzas Marins, Sergio Gregorio

horário: 15h50 às 16h40

 

———————————

Lei de Incentivo

Palestrante(s): a confirmar

horário: 16h às 17h

 

———————————

Painel Copa 2010: Análise e Tendências.

Palestrante(s): Carlos Alberto Parreira, Junior, Ronaldo Fenômeno

horário: 16h às 17h

Read More

Frase da Semana

cruyff1.jpg

“Todos os treinadores falam de movimento, de ter de correr muito. Eu digo: não corram muito. O futebol é um jogo que se joga com o cérebro. Tens de estar no local certo, no momento certo, nem antes nem depois.”

(Johan Cruiff, ex-jogador e técnico de futebol)

Coisas do Futebol 5

Um jogador do Milan é aplaudido em pé por mais de 80 mil pessoas, no Camp Nou, estádio do Barcelona.

E ao término do jogo, recebe o troféu do torneio – vencido pela equipe da casa – como sincero agradecimento de um dia ter vestido a camisa Catalã.

Quem é apaixonado por futebol se emocionou.

E quem já gostava do que o Barcelona produzia dentro das quatro linhas, ficou ainda mais simpático a causa.

Moltes Gràcies Ronaldinho!

Sinal dos Tempos

adidas-fifa-jabulani-ball-31.jpg

via Universidade do Futebol, por Rodrigo Leitão

(…)

“E a ciência da altíssima performance, necessária e contada pela tecnologia das filmagens, dos recursos de análise de imagem, da medicina que opera milagres e cura ossos quebrados, chegou à final, representada pela pedagogia do esporte, do treinamento desportivo integrado, onde o que é tático, físico, técnico, psicológico e sócio-cultural não se separa.

Chegou à final representada pela seleção da Espanha, país que tem estudado e pesquisado a fundo questões que envolvem meios e métodos de treino no futebol, onde treinadores e cientistas se confundem em uma coisa só, onde teoria e prática não se separam; lugar em que o futebol é um ambiente riquíssimo para se aprender e produzir coisas novas.

Espanha e Holanda não chegaram à final por obra do acaso (certo Einstein?). Enquanto uma vem se construindo com bases sólidas em uma ciência que vê pelos óculos da complexidade, a outra faz do investimento em sua cultura de jogo, temperada por novas idéias e princípios, o ponto forte de sua jornada invicta.”

Além da Espanha, quem ganhou foi o futebol, onde muitos ainda acreditam, que não há mais nada para se “inventar”…

Coisas do Futebol 3

esp.jpg

Só o futebol é capaz de fazer a majestade bater palmas para o plebeu de toalhas…

A Rainha Sofia da Espanha agradece ao zagueiro Puyol, ainda de toalhas nos vestiários, pelo acesso à primeira final de Copa do Mundo de seu país.

Frase da Semana

“O futebol é muito mais emocional, espiritual e psicológico do que técnico, físico e tático.”

(Deva Pascowitch, santista e narrador da rádio CBN, após o resultado de Santos 3 X 4 Palmeiras, no último domingo.)

Quem Entende Alguma Coisa de Futebol?

futmar.jpg

Quem entende alguma coisa de futebol?

Faço esta pergunta todo começo de ano, tentando encontrar alguma sábia resposta para uma das principais questões sobre o esporte bretão, ponderando o que aconteceu no ano anterior e o que pode vir a acontecer no ano que se inicia.

E a resposta ainda permanece a mesma: ninguém.

Simples assim.

Há alguns anos, chegava até a me incomodar com as tamanhas certezas dos principais “conhecedores de futebol” no país.

Agora, um pouco mais maduro, anoto algumas dessas verdades e dou risada com os amigos, confrontando-as com a realidade que se consumou.

Talvez o futebol seja o esporte mais parecido com o homem: complexo, racional (lógico), intuitivo, sensível, criativo e, repleto de fé e outras crendices.

E, da mesma maneira, talvez seja por essa razão que nunca será tão simples assim dar certezas absolutas antes da bola rolar.

Viramos o ano e nossa principal referência no futebol é o Flamengo, atual campeão brasileiro, com sua maravilhosa e imensa torcida e de igual magnitude em dívidas.

Mas vale reforçar que, se não fosse a falta de ego do treinador Andrade em perguntar ao recém contratado Petkovic de que maneira o camisa 10 gostaria de atuar, duvido que a sexta estrela estaria no peito dos rubro-negros este ano.

O humilde Andrade ouviu e colocou em prática: organizou a equipe em função do talentoso sérvio de 37 anos, que produziu como poucos, atuando mais solto pela esquerda, chegando para finalizar e ajudando na marcação até o meio-campo.

E quantos de nós não imaginou o óbvio: que Petkovic, contratado pelo Flamengo em troca de dívidas, era uma barca furada?

E em relação a Ronaldo? E ao forte Palmeiras, que ficava ainda mais forte com Muricy e Wagner Love?

A reflexão aqui não está por conta das análises e previsões de jornalistas e da grande mídia em geral. Nem sobre as besteiras repetidas todos os anos por alguns comentaristas. Longe disso.

Para quem quer enxergar, o futebol está cercado de ciências aplicadas. No seu sentido mais amplo, ciência (do Latim scientia, significando “conhecimento”) refere-se a qualquer conhecimento ou prática sistematizada.

E, por não sermos conhecedores mais profundos desses conhecimentos, não sabemos de futebol como deveríamos. Simples assim.

“O futebol nos mostra com suas subjetividades, com o seu dia a dia e com suas incertezas, tudo isso que a gente sabe que pode acontecer para uma equipe ou para a outra.” (Mano Menezes, 2009.)

Para 2010, já anotei algumas certezas dos “conhecedores de futebol” e gostaria de compartilhar com os leitores deste blog:

a África do Sul já está desclassificada na primeira fase da Copa do Mundo;

o Brasil será o primeiro do grupo G na primeira fase da Copa do Mundo;

o Corinthians é franco favorito para o título da Libertadores;

o Corinthians será desclassificado na primeira fase da Libertadores, pois os jogadores contratados são velhos e futebol é pra gente jovem;

o Barueri irá cair para a série B.

Desculpem me por saber tão pouco sobre futebol, mas será que vai ser simples assim?

Jogador de Futebol para a Prática de Atletismo

usain-bolt_1403938c.jpg

Cristiano Ronaldo é o jogador mais rápido do mundo, diz estudo do jornal alemão Der Spiegel.

O trabalho envolveu os jogadores dos principais clubes do planeta e levou em conta a melhor marca atingida por estes atletas em corridas em direção à bola. Assim, Cristiano Ronaldo ficou com o topo da lista com 33,6 km/h.

Pois então, sugiro ao atleta que participe das provas de atletismo do selecionado português, que tal?

Ser um jogador de futebol veloz garante exatamente o quê?

Aliás, a velocidade no futebol é muito relativa.

Por exemplo, o estudo do periódico alemão compreende a velocidade em direção até a bola.

Mas que tal discutirmos a velocidade com a bola nos pés, ou melhor, a velocidade tática no futebol? Proponho um desafio:

Usain Bolt, o jamaicano que impressionou o mundo batendo seguidos recordes nas provas dos 100 e 200m, contra o meia Deco, do Chelsea.

Utilizando um campo de futebol como “pista de corrida” e criando um percurso irregular, semelhante às características do traçado de uma jogada em direção ao gol, será considerado o vencedor quem antes chegar na linha de fundo, partindo com a bola nos pés e mantendo-a junto ao corpo durante todo o deslocamento.

Será que Deco, com seus 67kg e de estatura mediana seria um adversário à altura de Usain Bolt?

Façam suas apostas.

Eu já fiz a minha.

Sorteio da Copa 2010 e Brasil contra “Ingleses”

Screen shot 2009-12-04 at 21.56.31.jpg

Começou bem! A maravilhosa sul-africana Charlize Theron foi a anfitriã do sorteio da Copa 2010 na Cidade do Cabo.

via Thank God for Football

O Brasil conheceu hoje seus adversários na Copa do Mundo de 2010 e vai pegar Portugal, Costa do Marfim e Coreia do Norte. Alguns de nossos adversários na África do Sul são conhecidos por aqueles que acompanham o campeonato inglês. Sete jogadores do Chelsea devem estar nos elencos de portugueses e marfineses. A Coreia do Norte só tem cinco “estrangeiros”. Eles jogam na Coreia do Sul, Japão, Rússia, Suíça e China.


PORTUGAL NA PREMIER LEAGUE

Chelsea

Henrique Hilário, goleiro, 34 anos

José Bosingwa, lateral-direito, 27

Ricardo Carvalho, zagueiro, 31

Paulo Ferreira, lateral, 30

Deco, meia, 32

Manchester United

Nani, atacante, 23


MARFINESES NA PREMIER LEAGUE

Arsenal

Emmanuel Eboué, lateral-direito/volante, 26 anos

Manchester City

Kolo Touré, zagueiro, 28

West Bromwich Albion

Abdoulaye Méïté, zagueiro, 29

Portsmouth

Aruna Dindane, atacante, age 29

Chelsea

Salomon Kalou, atacante, 17

Didier Drogba, atacante, 31